Singral Cimeiro - Campelo (Figueiró dos Vinhos) - (Latitude 40.0408) (Longitude 8.23927) Altitude 673 Mts. -

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

1º de Janeiro em Fontão Fundeiro !


O meu nome é Helder Nuno Alves e sou um dos 4 mordomos das festas do Fontão Fundeiro, a realizar no ano de 2009, em honra da Nossa Senhora da Saúde.
Aproveito para informar que será celebrada uma missa na capela do Fontão Fundeiro no dia 1 de Janeiro de 2009, às 15:00, seguida de um leilão onde os presentes poderão beber um copo de sumo/vinho e comer umas febras na brasa, sem pagar.

A comissão de festas, para o ano de 2009, é constituída por:

Helder Nuno Alves

Alberto Diogo

José Chaveiro

Nuno Marques

Obrigado e um bom ano novo!

sábado, 27 de dezembro de 2008

Pequena alteração no Blog.

Por sugestão e pedido de vários dos nossos leitores ,a partir de hoje poderão fazer os vossos comentários ou sugestões directamente nas mensagens que vos desperte mais interesse ,no entanto, aqueles que preferirem, poderão continuar a usar aquele cantinho que chamei de "Livro de visitas".

Vandalismo em St.António da Neve.


O vandalismo e os amigos do alheio grassam por estas serras,desta vez a vítima foi o edifício que alberga o centro emissor da protecção civil localizado no alto de St.António da Neve. Logo que foi detectado por nós esta situação, o CDOS de Coimbra foi de imediato alertado, assim como a GNR de Castanheira de Pera,desconhecemos no entanto se o recheio foi subtraído,limitámo-nos a fotografar a porta arrombada!

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Castanheira de Pera e o comércio local.



Iniciativa engraçada, um Pai Natal passeando as crianças num veículo todo ecológico (eléctrico) o comércio local está na base desta iniciativa.

Eco-rotunda em Campelo





Inserida na campanha Eco-rotundas de Natal, iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos ,Campelo também teve a sua.Nas fotos que se incluem pode ver-se o trabalho desenvolvido pela comunidade de Campelo com a sua principal dinamizadora a Srª.Lina Coimbra .

Assembleia de freguesia de Campelo

Realizou-se no passado dia 20 de Dezembro a 4ª reunião ordinária da Assembleia de freguesia de Campelo. Infelizmente,não pude estar presente por motivos profissionais, nem tive conhecimento atempadamente desta data, para a poder anunciar aos nossos leitores.
Não sei o que se passou nem o que ficou decidido,as minhas desculpas, pois a minha intenção é, sempre que possível tentar fazer um pequeno resumo dos acontecimentos desta assembleia.No entanto deixo aqui um desafio à nossa comunidade de leitores, se acharem importante e com interesse ,deixem um comentário a apoiar a ideia e tentarei mesmo quando não puder estar presente ,recolher as informações junto dos responsáveis da Junta para as publicar .

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Memórias de um natural de Alge.

Esperando que todos estejam a disfrutar de uma óptima quadra Natalícia ,finalmente consegui transcrever um texto que me foi enviado pelo Sr.Mário Henriques dos Santos,que com muito gosto publico aqui, para os nossos leitores partilharem estas fantásticas memórias, que em muito enriquecerão o conhecimento histórico desta região, José Farinha.



Memórias e reflexões de um homem de bem

Pelo que a vida me ensinou e por alguns escritos que verifiquei e li,cheguei a algumas conclusões sobre a origem do povoado em que nasci:Alge,uma aldeia situada na Freguesia de Campelo,no Concelho de Figueiró dos Vinhos. Tenho para mim que este povoado é anterior à nacionalidade Portuguesa,tendo em conta que se sabe que a ribeira,que abraça com os seus dois braços o povoado e se reúne numa só ribeira ao fundo do lugar,tinha o nome de Ribeira Fria que,traduzida para árabe,seria Ribeira Alge. Este povoado é,por conseguinte,muito antigo e,com o passar dos séculos,fez parte do Condado de Miranda do Corvo. Desconheço o destino dado a alguns documentos historicamente muito valiosos que existiam em casa do meu avô Aires Henriques de Campos. Lembro-me de,entre outros documentos,ter lido uma escritura que descrevia que o gado de Alge podia ir em pastoreio até beber água no Rio Eça,rio que atravessa a Vila de Miranda do Corvo. Alge foi nesse tempo,há alguns séculos,sede de junta de Paróquia,como então se denominava.Nessa altura,pertencia a Miranda do Corvo.Com as sucessivas mudanças administrativas,passou a pertencer a Pedrogão Grande e,posteriormente,a Figueiró dos Vinhos. Campelo era nessa época o lugar de Pontão Cimeiro e só mais tarde adquiriu o nome de Campelo por ali ter residido Frei Gaspar Campelo,altura em que passou a ser a sede da Junta de Freguesia. Nesse tempo,o cemitério era onde actualmente se situa a igreja,a qual foi mandada edificar pela família Amaral do Fontão Cimeiro,que também criou as escolas primárias.Na minha meninice,ainda não existia escola primária em Alge e as crianças dos povoados em redor que podiam ir á escola confluíam para as escolas de Campelo,tendo de percorrer todos os dias vários quilómetros a pé por caminhos de terra batida ou por atalhos pelo meio dos pinhais,fizesse chuva ou sol. Em Campelo,existia a Capelinha do Senhor Jesus.Foi pena que os habitantes de Campelo deixassem que fosse destruída porque era uma obra de arte do povoado. O apogeu do povoado de Alge terá sido por volta de 1650. Henrique de Sousa Tavares foi o terceiro Conde de Miranda do Corvo e o primeiro Marquês de Arronches, bem como estribeiro-mor do Príncipe D. Teodósio (1626-1706), filho do Rei D. João IV. O Conde estava em Madrid quando rebentou a Revolução de 1640 em Lisboa. Embora fosse muito novo, quis vir desde logo para Portugal, mas, vigiado de perto pelos Espanhóis, só em 1643 conseguiu sair de Madrid com o pretexto de se vir bater pelo Rei de Espanha. O navio em que embarcou para Portugal foi atacado pelos corsários e naufragou por alturas de Vila do Conde. Apenas se salvaram três pessoas, sendo o Conde um dos sobreviventes. Chegado a Lisboa, alistou-se logo no exército nacional e fez toda a campanha do Alentejo. Foi depois mestre de campo do terço da armada e embaixador extraordinário na corte de Madrid e de Inglaterra. Aquando das suas estadias em Miranda do Corvo, passava muito tempo no solar que possuía em Alge, que era no seu tempo, uma bela residência.Nas épocas de caça e de pesca, convidava pessoas da Corte, que se dirigiam a Alge em grandes cavalgadas. Na ribeira, devido á sua água muito limpa e fria, pescavam a truta, o robalo e a enguia mais saborosas do país. Não foi por acaso que as autoridades de Figueiró dos Vinhos, por volta de 1940, fizeram na nossa ribeira uma zona de viveiro e para aí convidavam ministros-alguns dos quais eu conheci-para virem cá pescar. Em tempos mais remotos, Alge teve outro modo de vida, sendo a alimentação principal constituída á base de castanha, caça e pesca.Sabe-se que o milho e a batata apenas foram conhecidos como alimentos há cerca de 400 anos. As propriedades que produziam os alimentos que eu comi em criança tinham sido antes vastos soutos de castanheiros.Com o correr dos séculos, Alge também foi evoluindo e, ainda antes de eu ter nascido(1919), já era conhecida pelo seu associativismo:as ovelhas e as cabras eram pastoreadas em correição e no fim do dia eram recolhidas dentro do povoado.Todos os casais tinham um curral para recolher o gado do povoado, num local que ainda actualmente é conhecido por Currais da Lomba. O pequeno povoado de Alge também teve o seu papel no decurso da Guerra Peninsular (1808-1814), mais concretamente por alturas da terceira invasão francesa a Portugal, comandada pelo Marechal André Masséna (1758-1817).André Masséna era um militar francês de origem burguesa, que fez carreira na Marinha Mercante antes de aderir á Guarda Nacional.Durante as guerras revolucionárias de França ascendeu rapidamente na hierarquia militar devido aos seus feitos durante a campanha de Napoleão Bonaparte na Itália.Já durante o império foi feito príncipe d'Essling por Napoleão, que cognominava de "filho querido das vitórias".Masséna tinha vencido em Rivoli (1796), em Zurique(1799) e no cerco de Génova (1800), mas foi nas batalhas de Essling (1809) e em Wagram (1809) que ele se celebrizou. Daí que Napoleão o tenha escolhido para a 3ª invasão a Portugal, em 1810, chefiando três corpos de tropas, comandadas por junot, Ney e Reynier, mas no nosso país não foi muito feliz. Com efeito, em 1810 as tropas portuguesas e inglesas coligadas sob o comando do Duque de Wellington derrotaram os cinco ataques dos 65 000 homens comandados por Masséna na Batalha do Buçaco(Bussaco na grafia do tempo), tendo perdido, entre mortos e feridos cerca de 4 500 homens. Ao ver as suas tropas desorganizadas, Masséna viu-se na contingência de ter de fugir. Como oficial experiente, resolveu de imediato abandonar a luta e refugiar-se num lugar ermo no centro do país a fim de poder dar algum descanso ás tropas esgotadas depois do esforço despendido, retemperar as forças, estudar novas directrizes e reorganizar-se para uma nova oportunidade. Quando as tropas invasoras surgiram no cabeço de Miranda, em Alge, num Domingo de manhã,estava a rezar-se a missa na nossa capela. O povo fugiu precipitadamente para as matas circundantes a fim de evitar o perigo e, só a coberto da noite, alguns vinham ao povoado para tentar levar alguns alimentos de que careciam para si e para as suas famílias. Nesse tempo, o povoado era mais pequeno e não tinha as casas de alguma grandeza como as que existem actualmente. O cimo do povoado era uma travessa serventia, que ficava um pouco acima da casa onde reside o Senhor Jales e que ainda hoje se chama o Castelo. As tropas francesas acantonaram-se durante algum tempo em Alge e escolheram para quartel-general uma pequena casa construída á base de pedra ribeirinha.O último casal que residiu lá foi o Senhor Manuel da Varanda. Esta casa foi destruída e depois reconstruída e é habitada actualmente pela minha sobrinha Rosalina e pelo seu marido Abreu.Não se conhece o motivo por que respeitaram não tomar para quartel-general o solar da Condessa de Miranda do Corvo, mas tenho para mim que pretenderam não hostilizar mais o povo que habitava o lugar onde puderam descansar e reorganizar-se para a próxima e última batalha.Nunca se soube quanto tempo as tropas invasoras estiveram em Alge e não se conhece a data em que deixaram o povoado, mas podem ter ali permanecido muitos meses ou quase um ano. Também não se sabe ao certo o trajecto que seguiram para enfrentar as tropas portuguesas e inglesas coligadas. As tropas de Masséna queriam conquistar Lisboa, mas foram travadas e destroçadas nas linhas de Torres Vedras, tendo deixado Portugal em 1811.Por alturas de 1850, Alge tinha, entre outras casas mais pequenas, duas casas de agricultura já com alguma dimensão, que pertenciam ás famílias dos Campos e dos Lourenços. Em certas épocas, estas duas famílias casavam muito entre si. Prova disso foi o meu avô Aires Henriques de Campos que casou com a minha avó Anita dos Santos Lourenço. Por sua vez, a mãe desta, minha bisavó Maria Joaquina dos Santos Lourenço casou, em segundas núpcias, com um irmão do meu avô, António Henriques de Campos, mas existiram mais casamentos entre as suas famílias, tanto em Alge como na Ponte Fundeira, bem como noutros povoados. O primeiro Campos que veio residir para Alge foi o meu trisavô João Henriques de Campos, natural de Aveiro. Na disputa pelo poder entre D.Pedro e D. Miguel, ele foi apoiante de D. Miguel e, como este perdeu, começou a ser perseguido politicamente. A sua madrinha, a Condessa de Miranda do Corvo, como tinha residência em Alge; fez com que ele viesse residir para cá. João Henriques de Campos era um homem de muita categoria e de muito bom trato, detentor de alguma cultura e inteligência. Era muito respeitador e sabia . quando necessário, fazer-se respeitar. Era também um homem com algumas posses financeiras e comprou herdades em Alge, Jestosa, Camelo, Figueiró dos Vinhos, Miranda do Corvo, Tábuas e Espinho.Chegou a ter 16 caseiros, que vinham todos os meses a Alge um dia, sendo uma das missões informa-lo acerca das herdades que se vendiam nos povoados onde estavam a residir. Deve-se ao espírito activo e empreendedor deste meu trisavô a construção do lagar de azeite e da azenha de moer o milho, o centeio e o trigo, que trabalhavam com rodízio hidraulicamente já que a ribeira tinha uma forte corrente de água. Actualmente já não trabalham, mas ainda existem. Na sua construção, o meu trisavô teve de trazer bois, ribeira acima ribeira abaixo, para acarretar pedra.Como estes animais não podem andar mais do que um certo tempo com os cascos dentro de água, teve de mandar abater duas juntas de bois antes que os mesmos adoecessem e a carne ficasse imprópria para consumo.Quando mandou executar essas obras de arte, também no local onde hoje existe a piscina, mandou que se fizesse um açude na vertical para que, com a levada, a água fosse conduzida ao lagar e á azenha.Este açude teve de ser reconstruído por duas vezes porque, no inverno, não resistia ás enxurradas e ficava destruído. Só na terceira vez é que se fez um novo estudo e fizeram-no em calçada. Foi uma obra de arte que resistiu durante muitos anos.Foi pena que, para se construir a piscina, tivessem que destruir este açude. A água represada também era utilizada para a rega das terras agrícolas que possuía depois do lagar e da azenha. Não sei quantos filhos teve, mas, onde tinha herdades, ali foi residir um filho e, ainda actualmente, existem nesses povoados descendentes do senhor meu trisavô.Também possuo documentos que provam que havia pessoas que trabalhavam para ele que quando iam receber a soldada, lhe pediam que ele a trocasse por algumas terras e casas, solução que ele aceitava muitas vezes. Quando existiam queixas contra ele e os advogados sabiam a quem estas se dirigiam, recusavam-se a aceitar os casos porque não queriam escrever uma linha contra uma pessoa tão justa e que tanto respeitavam. No meu tempo de criança,e mesmo depois de mais crescido,Alge chegou a ser quase independente,auto-suficiente em relação ao exterior. Por volta de 1929,foi publicado um decreto lei estabelecendo que os residentes na freguesia de Campelo podiam comprar alguns baldios a mato.Este decreto-lei ficou a dever-se ao Sr. Dr. Martinho Simões,que ao tempo Secretário Geral do antigo Ministério do Interior e que nasceu no lugar de Três-Postos.Os meus pais compraram 45000 metros quadrados na Lomba do Singral e 35000 metros quadrados ao cimo do barroco do Vale do Ninho.Como o mato era roçado fazia-se "a cama" para os animais :cabras,ovelhas,porcos,bois,mulas e outros,os quais,com os seus excrementos,proporcionavam bom estrume para fertilizar as terras de agricultura. Minha mãe,todas as noites varria a lareira com uma pá e vassoura para apanhar a cinza,que deitava numa tulha.No tempo das sementeiras, comprava algumas arrobas de cal,que misturavam com a cinza.Estes dois produtos misturados eram espalhados por cima da terra e proporcionavam assim melhores colheitas.Os alimentos eram muito mais saudáveis e puros do que aqueles que actualmente ingerimos. Nesse tempo,vendiam-se os comestíveis excedentes e,com o dinheiro recebido,comprava-se aquilo que a terra não produzia e de que as pessoas necessitavam,tais como roupa,arroz,massa,bacalhau e outros géneros. Nessa época,para se ter uma vida razoável,tinha de se ter um bom rebanho e de se trabalhar muito.As pessoas levantavam-se muito cedo e trabalhavam de sol a sol. Noutros tempos,Alge tinha 7 azenhas,que trabalhavam com rodízio hidraulicamente.Havia muito milho e centeio.Também havia muitos colmeais.As abelhas pastavam nas flores do mato,principalmente na urze ou mosgurice,também conhecida por mongariça.Este pasto era combinado com as substâncias retiradas da água muito pura da nossa ribeira,substâncias que só elas conhecem para produzir um mel dos mais puros do país. Quase todas as pessoas tinham colmeias,mas havia algumas que tinham para cima de 300 ou 400 colmeias e faziam com isso negócio. Por volta de 1930,Alge tinha para cima de 450 habitantes e alunos suficientes para manter uma escola primária.O primeiro professor a vir para cá foi o Sr.Leite de Lencastre.Foi com ele que eu aprendi o que sei e foi o meu pai que fez o quadro,as carteiras e os bancos para a escola. Perto de Alge existe o casal do Pé-de-Ingote.Penso que lhe atribuíram este nome por ali ter residido um casal com esse nome.Com o passar do tempo,foi havendo mais pessoas.Eu conheci a residir ali cinco casais de família num total de dezassete pessoas.Actualmente,creio que está desabitado. Para o casal de Singral Cimeiro,do mesmo modo,creio que foi para lá viver um casal,que teve filhos e casaram.Assim,o povoado foi crescendo.Conheci o Singral Cimeiro com cerca de 15 habitações e cinquenta pessoas.Creio que ainda habitam lá dois casais. No casal de Singral Fundeiro,conheci a viver lá cinco pessoas,mas está desabitado há muitos anos. No casal das Cigarrinhas,conheci lá um habitante,até se dizia que era o lugar mais rico da freguesia,só um morador é que comprava milho. No casal das Cearas,conheci cerca de oito ou nove moradores.Era um povoado com vida difícil.Houve no entanto,alguns filhos de lá que imigraram para Lisboa.Actualmente também está desabitado. Para terminar estas memórias,vou contar uma história verídica.A minha bisavó Maria Joaquina dos Santos Lourenço era uma mulher de armas,muito inteligente e corajosa.Teve um neto que não deswcansou enquanto não a convenceu a ir residir em sua casa.Assim que isso aconteceu,conseguiu assenhorar-se de tudo o que pôde e depois indicou-lhe a porta da rua.E,não satisfeito com isso,fez acusações contra ela na Câmara de Figueiró dos Vinhos dizendo que ela tinha coisa em casa de que não tinha dado manifesto.Algum tempo depois,apareceu-lhe á porta com dois guardas-republicanos e dois funcionários do Tribunal para lhe fazerem uma busca á casa. Ela com toda a calma,pegou num chapéu-de-chuva,abriu as portas para trás e disse aos guardas indicando o neto:"Entrem,mas mandem esseà frente,pois é o primeiro a quem quero tirar os olhos!"Chamando uma pessoa que trabalhava para ela disse-lhe:"José,pega num machado e arromba as tampas dos três pipos que estão na adega!"Pouco depois,o vinho jorrava com ímpeto por baixo das portas.Havia pessoas com alguidares e cântaros a apanhar o vinho que podiam para o levar para casa.Esta atitude custou-lhe ser detida e responder no tribunal de Figueiró dos Vinhos.O mais interessante é que durante esses dias nunca lhe saiu dos lábios e do rosto um sorriso.Durante o julgamento,o juiz condenou-a a nove dias de cadeia,mas autorizou-a a estar num quarto e sempre acompanhada por amigos e familiares e a comida era-lhe levada pelas pessoas de família. O que deixo atrás exposto são conhecimentos do povoado onde nasci e de alguns que rodeiam Alge. Lisboa,3 de Abril de 2008
Autor do texto - Mário Henriques dos Santos

domingo, 14 de dezembro de 2008

Eco-Rotundas em Figueiró dos Vinhos

A Campanha “Eco-rotundas de Natal” é uma iniciativa inédita em Figueiró dos Vinhos e que pretende associar Natal e Ambiente, promovendo a decoração de sete rotundas da Vila e uma em cada freguesia que serão decoradas com material reciclado e dinamizadas pelas associações do concelho que se associaram a esta iniciativa.

É uma iniciativa feliz que promove a cooperação entre a autarquia e o espírito associativo, contribuindo simultaneamente para a sensibilização ambiental e decoração natalícia.

Edital - (ZIF) de Campelo

O Núcleo Fundador da Zona de Intervenção Florestal (ZIF) de Campelo

ZIF n.º 127/2007

Edital n.º 4/2008


Torna Público, nos termos do n.º 1 do art. 9.º, do Decreto-Lei n.º 127/2005, de 5 de Agosto, que terá lugar no Penico – Salão de Convívios de Alge, do concelho de Figueiró dos Vinhos, no dia 20 de Dezembro do ano corrente, pelas 17 horas, a segunda reunião de Audiência Final da Zona de Intervenção Florestal de Campelo.
Convocam-se todos os proprietários e produtores florestais, detentores de áreas florestais na freguesia de Campelo, a participar na reunião de Audiência Final que terá a seguinte ordem de trabalhos:
.Análise das propostas de alteração ao Regulamento Interno;
.Esclarecimento de duvidas;
.Outros assuntos.
Figueiró dos Vinhos, 04 de Dezembro de 2008


O Representante do Núcleo Fundador
Jorge Manuel de Jesus Agria

Núcleo Fundador da Zona de Intervenção Florestal (ZIF) de Campelo

Venha ter connosco ao Salão de Convívios de "O Penico" em Alge, na freguesia de Campelo, no dia 20 de Dezembro de 2008 (sábado) às 17 horas.
Participe na próxima reunião de Audiência Final da Zona de Intervenção Florestal de Campelo.
Convocamos todos os proprietários e produtores florestais, detentores de áreas florestais na freguesia de Campelo, a participar na reunião que terá a seguinte ordem de trabalhos:
. Análise das propostas de alteração ao Regulamento Interno;
. Esclarecimento de duvidas;
. Outros assuntos.
Figueiró dos Vinhos, 05 de Dezembro de 2008
* Contamos com a presença do Chefe do Núcleo Florestal do Pinhal Interior Norte enquanto representante da Autoridade Florestal Nacional.
* Lanche convívio após a Reunião.

Para mais informações, não hesite em contactar-nos!
Sónia Gouveia (Eng.ª Florestal)
Contactos: 236 552 333/ 914392862

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Exposição de presépios em Figueiró dos Vinhos


Integrada na quadra natalícia, o Município de Figueiró dos Vinhos, vai realizar a exposição de presépios intitulada "Presépios com arte". Esta exposição, que decorrerá no Convento de Nossa Senhora do Carmo, será inaugurada no dia 12 de Dezembro e estará patente até 7 de Janeiro, permitindo que durante as Festas de Natal, o Ano Novo e o Dia de Reis, possa ser visitada por todos quantos queiram apreciar a mais de uma centena de presépios expostos, pertencentes a particulares, artesãos e coleccionadores.

domingo, 30 de novembro de 2008

Finalmente a neve...

Já conhecia os encantos da serra, com o seu dorso coberto por uma fina capa de neve que lhe dá um ar cândido e apaziguador,mas a repetição desse cenário já tardava...
Ontem, e no decurso de trovoada e vento forte durante a madrugada, finalmente a neve chegou! de algum modo fomos apanhados de surpresa,e os primeiros inconvenientes surgiram, tínhamos os nossos veículos no fundo do lugar e não conseguimos sair até que o gelo derretesse um pouco mais, o que aconteceu por volta do meio dia...
Tenho pena que o meu amigo Rui não esteja por cá, pois estou convencido que ele iria adorar o cenário.
Há pouco mais de 1 hora ,estava eu a ouvir algumas notícias pela rádio, e quando ouvi dizer que o Ministério público se zangou com a polícia judiciária,não aguentei mais, e decidi fazer "switch off" e preferi ir até á janela tirar estas duas fotografias!





sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Castanheira de Pera-O perigo espreita num dos acessos á Praia das Rocas!

Raramente passo a pé nesta estrada,que dá acesso á parte nova da Praia das Rocas,o que é certo é que muitos são os transeuntes que a utilizam...hoje, por mero acaso decidi dar uma volta a pé, e eis que deparo com este cenário,que tento ilustrar com algumas fotos . Não será difícil perceber que esta situação é declaradamente um convite a um acidente grave...imagine-se um jovem correndo inadvertidamente atrás de uma bola...e a pouco mais de um metro do passeio ,o piso termina abruptamente, sem qualquer tipo de protecção ,para nos estatelar-mos lá em baixo por onde passa o ribeiro...até um adulto pode candidatar-se a este "mergulho"tudo depende das circunstâncias.O mais curioso é que me "chegou aos ouvidos" que a Câmara Municipal já terá sido alertada para esta falha de segurança,eu tenho dificuldade em compreender como é isto possível ,numa zona cujos arruamentos são recentes, e que fazem parte dos novos arranjos do complexo "Praia das Rocas".Para quem conhece a zona vá lá ver! é mesmo em frente ao Centro Paroquial.





terça-feira, 25 de novembro de 2008

Paisagem

Lagoa comprida -Açores

(Gentilmente cedida por Eduarda Campos)

Recarregar as baterias...

Eu sei ,que os nossos leitores certamente estarão ávidos de mais algum texto fresco, aqui neste cantinho familiar, mas eu próprio também estou um pouco em "recessão", assim sendo, sugiro que vão lendo as coisas mais antigas,se porventura ainda não o fizeram ,que em breve regressarei com mais algumas notas frescas... a não ser, que queiram vocês próprios contribuir com algum trabalho.
Como devem calcular, aqui pelas redondezas do Singral pouco ou nada acontece de novo,o mesmo não direi do resto doPaís e do Mundo aí os acontecimentos sucedem-se a uma velocidade estonteante,todos os dias ouço falar de "MILHÕES" uns a entrar, outros a sair... por exemplo ,com as recentes notícias sobre os "BPNs"tenho ficado tão emocionado, a tal ponto, que me embargou a capacidade de escrever.
Vou tentar refazer-me ,e carregar as baterias, para continuar a condimentar este nosso cantinho,continuem a bater ao ferrolho, e a espreitar,porque a manutenção de alguma expectativa talvez seja uma outra forma de vos aguçar o apetite...não ambiciono como muitos, ser líder de audiência,mas se for-mos uma imensa minoria já ficaria contente.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Atentado á natureza

Foi hoje, que numa das nossas deambulações pelo interior da serra, demos com este deplorável cenário,quando digo nossas, refiro-me ao meu "vizinho" Rui e a mim próprio...o Rui foi quem deu o primeiro alerta, e eu, logo acorri para fotografar o triste evento,será que os autores deste acto não poderiam pedir ajuda ao município, e tratavam de despejar este entulho num local mais apropriado? Como achámos que este acto é deplorável,um verdadeiro atentado ao equilíbrio ecológico, e merece ser punido ,as autoridades (GNR local) foram alertadas para este facto,vamos aguardar.O local onde este entulho se encontra é na descida para as Cearas a partir da estrada de ligação Alge-Singral. Faço daqui um apelo ,para que as pessoas se mobilizem, no sentido de se sensibilizarem para que actos como este, deixem de existir,afinal, os municípios até se prestam a ajudar para nos vermos livres destes resíduos sólidos, em locais mais apropriados...





Abertura do Serviço de Informação e Mediação Para Pessoas com Deficiência


No dia 3 de Dezembro de 2008, DIA INTERNACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA, o SIM-PD de Figueiró dos Vinhos abrirá oficialmente as suas portas, pelas 10h30m, em cerimónia que decorrerá no Edifício da Junta de Freguesia de Figueiró dos Vinhos.

Este serviço foi criado através de uma parceria entre o Município de Figueiró dos Vinhos e o Instituto Nacional para a Reabilitação – INR, sendo que a Junta de Freguesia de Figueiró dos Vinhos é também parceira no projecto sendo responsável pela cedência do espaço onde este serviço funcionará.

Pretende-se com a abertura deste Gabinete destinado à comunidade, atender e prestar informações aos cidadãos portadores de deficiência e respectivas famílias acerca dos seus direitos, benefícios, serviços e recursos existentes.

Mais importante ainda será o encaminhamento para outras instâncias e a mediação junto dos serviços públicos e/ou entidades privadas com responsabilidades nesta área, capazes de solucionar ou minimizar os problemas com que estes se deparam.

Na área social, Figueiró dos Vinhos passa a dispor assim de mais um apoio fundamental para quem efectivamente necessita.

Mais informações estão disponíveis no próprio local ou no Gabinete de Acção Social da Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

O movimento dos professores em destaque.

O texto que se segue foi escrito depois da manifestação de Sábado, dia 8 de Novembro, por Pedro Nuno Santos do Agrupamento Dr. Garcia Domingues de Silves.
E porque achei que merece uma divulgação ampla,aqui deixo o meu contributo, José Farinha
(Texto retirado de : ( http://paulocarvalhoeducacao.wordpress.com/2008/11/12/perante-um-texto-destes/ )



Colegas,

Suponho que todos se sintam sensibilizados por sentirem que, no passado Sábado, fizeram parte de “algo maior”, que fizeram parte da história…

Pois na história, por maior e mais significativa que tenha sido a manifestação, é onde todos e cada um dos 120 000 irá ficar se, chegados às escolas, nada fizerem para mudar as coisas.

Sei que muitos se sentiram desiludidos com as consequências práticas da primeira manifestação e que muitos temem a repetição do mesmo com esta segunda manifestação. Alguns sentem-se desiludidos, ou mesmo ultrajados, com as declarações da Sr.ª ministra da Educação na televisão…Seremos assim tão ingénuos que estávamos à espera que ela viesse às televisões pedir desculpa, dizer que se tinha enganado e que se iria empenhar, connosco, no combate aos verdadeiros males do nosso ensino?! Não me façam rir!

Porque não há-de a ministra se sentir segura, se ela sabe que 90% dos professores que aos Sábados vêm gritar para as ruas chegam às escolas, na segunda-feira seguinte, e continuam a colaborar na política das aparências…

Ela conta com o nosso medo, conta com a nossa inércia, conta com o nosso “seguidismo”…Não lhe interessa resolver nada do que está mal, interessa-lhe apenas a nossa colaboração. E ela sabe que a está a ter em centenas de escolas, as mesmas de onde vieram muitos dos 120 000. A esse medo chama-se CONIVÊNCIA!

Sejamos honestos! Em causa não está a avaliação, mas TUDO o resto. Toda a política da aparência que está a conduzir o sistema de ensino público português para o mesmo caminho que o nosso famigerado sistema nacional de saúde.

Quem, de entre nós, tendo um pouco de dinheiro, não prefere recorrer a uma clínica privada do que perder horas num centro de saúde ou num hospital público?! Pois o mesmo irá acontecer ao sistema de ensino público português, caso não nos revoltemos contra esta política que, perante as dificuldades, cede.

No futuro, e o futuro é daqui a dois ou três anos, no sistema de ensino público ficarão apenas os que forem incapazes de fugir para o privado: professores e alunos.

Os meninos estão a ter maus resultados a Matemática? Não faz mal, baixa-se o nível de exigência dos exames. Os meninos ficam retidos no final do ano? Não faz mal, inventam-se dezenas de “planos” e de “justificações” e o pessoal, só para não ter que preencher a papelada, continua a “engolir sapos” e a passar os meninos todos no final de cada ano.

É necessário passar a imagem, para a opinião pública, que o governo está muito preocupado com os problemas do ensino? Inventa-se uma “avaliação burocrática de docentes” e a malta colabora, com medo, e vamos para casa todos contentes com o “Bom”…

O sistema público de ensino está a ruir a cada ano e em vez de enfrentarmos os problemas de frente e assumir o que está mal, incluindo o que está errado dentro da classe docente, continuamos a colaborar com o “sistema”…Ou seja, o “Titanic” afunda-se, mas nós continuamos a dançar ao som da orquestra…
Pois bem, se houver alguém que acredite que este sistema de avaliação vai melhorar o nosso sistema de ensino, que entregue os objectivos pessoais.

Se houver alguém que acredita que os professores que se esforçam, que sempre se esforçaram, vão ser “premiados”, que entregue os objectivos pessoais.

Se alguém acredita que os nossos colegas que sempre fizeram do ensino a sua “segunda profissão” e se gabam de usar indiscriminadamente os 102 irão ser penalizados, que entregue os objectivos pessoais.

Se alguém acredita que este processo nos irá ajudar a melhorar os nossos métodos de ensino e a ser melhores professores, que entregue os objectivos pessoais.

Se alguém acredita que este processo irá permitir detectar os nossos erros e corrigi-los, beneficiando indirectamente os nossos alunos, que entregue os objectivos pessoais.
Mas NÃO ENTREGUEM OS OBJECTIVOS POR MEDO! Não cedam à chantagem do medo e às ameaças da ministra. Todos temos muito a perder, mas há coisas que não têm preço…Uma delas é a nossa dignidade profissional.

Nós somos professores e, na nossa profissão, todos os dias somos confrontados com ameaças directas à nossa autoridade. Quando não temos mais argumentos para convencer os nossos alunos pela razão, o que é que fazemos?! Ameaçamos! É a última arma que resta, quando faltam mais argumentos…Sabemos bem como é!

Pois bem, temos uma ministra que, há muito, desistiu de nos convencer pela razão, pois nós bem sabemos da hipocrisia desta pseudo-avaliação. Que lhe resta? A ameaça…Como não pode mandar os professores para a “rua” com uma falta disciplinar, ameaça-nos com a não progressão na carreira. E nós? Nós, pelos vistos, cedemos com um sorriso nos lábios…
Seremos assim tão ingénuos que pensamos que, se alinharmos no “esquema” e entregarmos os objectivos, nada nos irá acontecer?!

Seremos tão ingénuos ao ponto de pensar que, se alinharmos com o “sistema”, o nosso emprego estará assegurado para sempre?

Será que as pessoas não compreenderam que os tempos mudaram e que já não há certezas no que toca a um emprego para toda a vida, nem mesmo para quem trabalha para o Estado?

ACORDEM e olhem à vossa volta…Estamos a entrar numa das piores crises financeiras que o mundo ocidental já conheceu… Alguém acredita que o seu emprego estará seguro indefinidamente só por não contrariar o “chefe”?! Os tempos mudaram e não voltam atrás, nem mesmo para quem é funcionário público.


A escola de Silves está cheia de pessoas normais, não de super-heróis. As pessoas que estão a boicotar a avaliação na minha escola são pessoas honestas e cumpridoras da lei. Pagam impostos e não têm cadastro criminal. Não são loucas, nem irresponsáveis e, por isso, também têm medo.

Estão habituadas a ensinar aos seus alunos e filhos a cumprir as leis. Mas sabem que antes de qualquer lei, está a lealdade e a rectidão perante as nossas mais profundas convicções.

Os professores de Silves também têm medo das repercussões que este acto de resistência pode ter nas suas carreiras, sobretudo os corajosos avaliadores que arriscam, talvez, um processo disciplinar. De onde lhes vem a coragem? De saber que pior que ter medo de não cumprir esta avaliação, é o medo de olharmos para o espelho e termos vergonha de não termos defendido a nossa dignidade profissional e os nossos alunos.

É disso que se trata, de defender a dignidade do nosso sistema de ensino. É daí que nos vem a força, das nossas convicções…Como poderíamos olhar de frente, olhos nos olhos, os nossos alunos se cedêssemos na luta pelos nossos ideais?

A ministra ameaça-nos como “meninos mal comportados” e nós claudicamos? Em Silves, não!
Não sigam o exemplo dos professores do Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Garcia Domingues de Silves, sigam a vossa consciência. E se, perante ela, se sentirem bem em entregar os objectivos pessoais, entreguem-nos!

Nós, perante o medo, continuamos a RESISTIR! E desde que o começámos a fazer que dormimos melhor e que temos um outro sorriso…Estamos bem com a nossa consciência e isso não tem preço.

Desde que resisto, que sou MAIS FELIZ! Os meus alunos agradecem…

Pedro Nuno Teixeira Santos, BI 10081573, professor QZP do grupo 230 no Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Garcia Domingues (Silves)

(NOTA: se alguém me quiser instaurar um processo disciplinar na sequência deste texto, agradeço o envio de um e-mail e eu envio na resposta, e com agrado, o resto dos meus dados pessoais)

sábado, 15 de novembro de 2008

O que é um Blog ?

Pensa que o mundo dos "bloggers" pertence aos técnicos, á subcultura contemporânea , ou á sucata política? Pense melhor ,ser blogueiro é para todos.
O que há de mais recente no mercado de ideias e da informação, é a blogosfera, são os media feito por pessoas e para pessoas como nunca antes foi visto.
Está na altura de parar de se lamentar pelo "aperto" corporativo dos reinos das televisões e jornais e abraçar o novo jornalismo do cidadão.Ligue-se e faça parte da informação que flui,tenha a sua voz representada ,está na hora de participar.
Comece a conhecer a Blogosfera! porquê? porque os blogers são leaders de respeito neste enorme mercado, os blogueiros oferecem ideias, e informação para consumo e debate para qualquer um que queira ler,eles moldam a opinião pública e lideram novas iniciativas.
Como nenhuma das tradicionais fontes de informação, os “blogueiros” providenciam comentários em assuntos particulares, e análises diversas, sem estarem algemados pela pretensa objectividade.
Acompanhar os "blogueiros", permite-lhe ver e sentir os mais diversos assuntos de vários ângulos, e perceber qual a verdadeira essência.
Os “blogs” dão-lhe voz.Blogs são forums abertos que significa básicamente que não estará lá ninguém para rejeitar os seus comentários ,apenas terá que intervir com decência e respeito,os comentários inteligentes serão sempre bem-vindos pelos outros leitores, e aumentarão a visibilidade do blog em causa.Os comentários podem também ser usados para catalizar a reacção do público em torno de uma ideia.O debate e a conversação através dos comentários, normalmente enriquece a discussão.
Os blogs influenciam os media tradicionais,sabe-se que a informação tradicional cada vez mais faz rondas na “blogosfera”, procurando nova informação e procurando dar o ponto de vista “internautico” daqueles temas que estão já sendo cobertos..
Ofereça conteúdo.Se tiver algum material interessante que considere útil e que possa enriquecer o blog que acompanha,não hesite, contacte o “blogueiro” e pergunte-lhe se está aberto a essa colaboração, pois para além de enriquecer o espaço,até pode acontecer ser convidado para uma parceria ou haver uma referência a seu favor numa publicação posterior.
Normalmente, e dependendo do seu estilo e áreas de intervenção, os blogs providenciam as notícias mais “frescas” e recentes, porque a publicação pode ser feita no instante em que se escrevem, e os blogueiros mais “ferranhos” até o fazem no meio do acontecimento.Os blogs são uma espécie de memória institucional,porque as suas propriedades de arquivamento, permitem manter um acompanhamento do desenrolar das ideias e perspectivas ,através do tempo, de modo a perceber-se melhor as raízes da opinião pública.
Os blogs podem inclusivé, condicionar e ou influenciar, as políticas de oposição,notícias de uma organização progressiva, encontradas a monitorizar uma organização conservadora, podem tornar-se sensacionalistas ou incriminadoras para o “outro lado”.
Tenha cuidado com a má informação,porque qualquer ,e cada um hoje, pode começar o seu próprio blogue,é importante ler os blogues com sentido crítico ,muitos "blogueiros" levam o jornalismo a sério, pesquisando e confirmando a informação que disponibilizam,mas outros há ,que não são tão diligentes.
Um blog pode ser o seu megafone,as suas publicações podem ser fácilmente encontradas através dos motores de busca ,quanto mais publicar mais resultados aparecerão nas pesquisas ,logo, mais notoriedade o seu espaço adquire.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Castanheira de Pera em destaque

O programa " Portugal no coração" transmitido pela RTP, irá ser feito a partir desta localidade na edição da próxima segunda feira dia 17 de Novembro ,entre as 14 e as 17 horas directamente da "Villa Praia" (Praia das Rocas).
Aproveito também ,para realçar o facto de estar a decorrer nesta vila , o evento denominado "III Novembro gastronómico" que consta essencialmente por parte dos restaurantes aderentes , da apresentação de pratos típicos em que a castanha assume um papel preponderante,apareça...

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Homenagem a Malhoa


Por ocasião da Passagem do 75º Aniversário da morte de José Malhoa, o Município de Figueiró dos Vinhos promove uma justa homenagem ao Pintor através de um programa que traz à memória a sua vida e obra num momento que será decerto lembrada no futuro.

Com efeito, até ao final do mês de Novembro está patente no Clube Figueiroense-Casa da Cultura, a exposição "José Malhoa, 1855 - 1933 A Exaltação da Luz", composta por quadros originais do Pintor, oriundos de Colecções Privadas e de Museus Nacionais. Refira-se a propósito a presença de "O Fado", "São Martinho/ Vinho Verde", "O Emigrante" e "Hortenses", entre outros.

A exposição pode ser visitada todos os dias entre as 14 e as 17 horas.

Paralelamente, decorre a exposição de pintura "Colectiva de Artistas Figueiroenses" no "Casulo" e outra de trabalhos efectuados pelos alunos das escolas sobre José Malhoa, na Casa da Juventude.

Estas exposições estão também patentes até ao final do mês de Novembro, no "Casulo" entre as 14 e as 17 horas e na Casa da Juventude de segunda a sábado das 10 Às 13 horas e das 14 às 19 horas.

“Torneio de Futebol de 11 – Manuel Quaresma” em Figueiró dos Vinhos

Entre 14 e 16 de Novembro, Figueiró dos Vinhos recebe o “Torneio de Futebol de 11 – Manuel Quaresma”, iniciativa que terá lugar no Estádio Municipal Afonso Lacerda.

Trata-se de uma iniciativa organizada pela Federação Portuguesa de Futebol, Associação de Futebol de Leiria e Município de Figueiró dos Vinhos e que terá em competição as equipas de Sub 16 dos Distritos de Leiria, Castelo Branco e Portalegre.

Na sexta-feira disputa-se o encontro Leiria x Portalegre (16 horas), sábado o Leiria x Castelo Branco (15h30m) e no Domingo Portalegre x Castelo Branco (10h30m).



Forum dependências

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Eles não gostam de Blogues...!

O Jumento

Festival de S.Martinho


Iniciativa promovida pela recém criada Associação Cultural e Recreativa "Terractividade".
em Figueiró dos Vinhos.

http://terractividade.blogspot.com/

Armadilha para cães?


É verdade, parece que alguém anda por aí, a tentar dar uma ajuda para reduzir a população canina vadia em Alge, com a utilização de uma engenhosa armadilha,quem será e com que motivação?

domingo, 9 de novembro de 2008

A necessidade é a mãe da invenção...




Ainda a propósito da escassez de água nas ribeiras da zona,e voltando de novo ao problema do abastecimento de água aos residentes no Singral e não obstante a intervenção da Câmara ter vindo a melhorar o sistema de captação, verifica-se que a concepção técnica da solução, padece de alguns defeitos,pois só funciona quando o caudal é abundante ,assim os necessitados viram-se obrigados a puxar pela cabeça e improvisaram algo que fizesse chegar a água ao tubo de captação, porque a represa não retém a água por forma a que ela chegue ao sítio certo...assim, cá se vai andando com a cabeça entre as orelhas...

Reflexão

Doçaria Conventual em Figueiró.









Foi no p
assado domingo, lá fui dar uma espreitadela ao evento... pois nunca lá tinha ido e queria saber como era ...foi interessante,mas não correspondeu á expectativa criada pela publicidade...praticamente não encontrámos doçaria conventual,pelo menos aquela hora( ...?) será que a procura foi grande e os stocks esgotaram?.

Comissão de compartes de Alge
























Recentemente a comissão de compartes de Alge tem vindo a condimentar a aldeia com várias placas, identificando ruas,largos e inaugurações.

PS: Por lapso meu, esta notícia esteve alguns dias aqui, tendo sido referenciado que a autoria destas melhorias eram da responsabilidade daComissão de melhoramentos, em vez de "Comissão de compartes" pelo erro cometido peço desculpa aos nossos leitores e aqui fica a rectificação, José Farinha.

Casa rústica á venda em Alge