Singral Cimeiro - Campelo (Figueiró dos Vinhos) - (Latitude 40.0408) (Longitude 8.23927) Altitude 673 Mts. -

quinta-feira, 24 de março de 2011

TDT-Televisão Digital Terrestre

Muitas já foram as pessoas que me fizeram perguntas sobre a TDT , e já me apercebi que aqui no interior, onde nem a já velha e fora de moda difusão analógica chega em condições, está a preocupar os utentes que não sabem como vão continuar a ver televisão sem terem que pagar para ver...mas embora tudo isto esteja uma autêntica bandalheira por falta de informação, não se esqueçam que a taxa para o audiovisual que se paga na factura da electricidade já dá uma boa ajuda para que estes Srs. arrecadem uns bons trocos e nos continuem a impingir  um mau serviço e "resmas" de publicidade.
Estou a abordar este tema porque as dúvidas vão surgindo, assim como também os oportunistas que se aproveitam da ignorância de cada um para vender gato por lebre...na realidade poderia aqui tecer algumas considerações para esclarecer um pouco melhor os leitores sobre esta matéria, mas decidi apenas recomendar-lhes a leitura de um Blog muito bom que lhes explica tudo sobre esta matéria e que eu próprio que não sou pròpriamente um leigo sobre o assunto visito com alguma regularidade.
Aceitem o convite ,porque recomendo vivamente a leitura deste blog para quem quiser esclarecer-se sobre os mistérios da TDT !Clique aqui!        

Crise inoportuna...


 Depois de um período de trabalho que se estendeu por oito horas e que me rendeu cerca de trinta euros ,eis que chego ao aconchego da minha humilde habitação e me apercebo que na televisão anunciavam uma comunicação ao País do Sr.Engenheiro.Constou-me que durante toda a tarde, os numerosos trabalhadores da política se extasiaram em dissertações mais ou menos cansativas e ou estéreis sobre o que cada um pensa sobre a actividade do Sr.Engenheiro e seus colaboradores...e lá fui continuando a"meter" combustível, que por acaso era esparguete com almôndegas,e entre cada garfada lançava um olhar por cima dos óculos em direcção ao televisor,aguardando a tão ansiada comunicação,foi num período de enfraquecimento da propagação atmosférica que surge então o Sr. Engº e tive que o ver cheio de riscos e interferências diversas (A TDT ainda não chegou... e o satélite é caro.) mas que em nada comprometeu a inteligibilidade do som...depois de ter que ouvir mais ou menos aquilo que já tinha sido dito,ficou-me retido na orelha uma frase que acho notável ,disse ele a dada altura que foi provocada UMA CRISE INOPORTUNA... com algum embaraço lá consegui deglutir mais um pedaço de almôndega e fiquei a "matutar" naquela...e fui consultar o dicionário para me certificar que não estaria a fazer uma apreciação errada,pois para mim parecia-me que uma crise será sempre inoportuna,e não será necessário sublinhá-lo a não ser que ele ache que a crise criada até antes da votação tenha sido OPORTUNA...(?).

Para poupar o trabalho aos nossos leitores deixo em rodapé os resultados da consulta que fiz ao dicionário, fiquem bem e não se engasguem,e continuem com a cabeça entre as orelhas.


inoportuno


adj.
Não oportuno; intempestivo; inconveniente.



Crise...
1. Mudança que sobrevém no curso de uma doença aguda.
2. Fig. Conjuntura perigosa; momento perigoso e decisivo.
3. Falta de trabalho.
4. Embaraço na marcha regular dos negócios.
5. Desacordo político que obriga o ministério a recompor-se ou a demitir-se.
s. m.
6. Bras. Cris.
crise nervosaataque de nervos.

domingo, 20 de março de 2011

Forasteiros no Singral...

Temos notado nos últimos tempos, que o Singral tem nutrido alguma apetência para visitantes inesperados...
Não raro deparamos com visitas ao lugar, de gente que anda apenas a passear na Serra, mas há uma coisa que nos intriga ,porque razão a maioria dessas visitas se traduzem numa completa indiferença para quem os vê passar?passam, dão a volta ao lugar e nem sequer um olá ou um cumprimento cordial quando nos observam...será vergonha?ou são urbano-dependentes?e não estão habituados a cumprimentar por quem passam ,mas aqui a tranquilidade e escassez de "people" poderia aguçar-lhes a vontade de trocar algumas impressões connosco até poderia complementar a sua incursão turística...
Na verdade, ontem mesmo, (cerca das 17horas)algo muito insólito (na nossa opinião)aconteceu, no decurso de mais uma destas visitas, estávamos nós sentados no largo principal que é o cartão de visita da aldeia,e eis que surge de rompante um "jeep" que albergava um casal, e indiferentes à nossa presença e em acto contínuo decidiram iniciar a descida do "quelho" que se encontra junto à casa dos "Carochos", surpreendidos por aquela atitude e sabendo que a passagem era desadequada para veículos e não ia dar para passar, fomos indagar...mas ainda não tínhamos chegado e já estavam de uma forma atabalhoada a fazer marcha atrás de tal modo que embateram com alguma violência no muro em frente à casa, que ficou danificado!O "jeep" ficou a guinchar e indiferentes á nossa perplexidade arrancaram a toda a velocidade sem sair para verificar os estragos...
Temos dificuldades em catalogar esta atitude,mas em todo o caso anotámos a matricula do veículo em causa,quem sabe, os donos da casa podem querer chamá-los à responsabilidade. (97-84-ED)

Sinais de Primavera

A Primavera está a dar sinais de vida, um deles é a intensificação da visita destas simpáticas aves, junto à nossa janela...

Comissão de compartes reúne em breve

terça-feira, 15 de março de 2011

Gerações à rasca

Dizem-nos que a geração que agora tem à volta de 30 anos está à rasca. Porque, por exemplo, há jovens de 30 anos, com licenciaturas e eventualmente mestrados, que não conseguem melhor do que um contrato precário a recibo verde e um salário entre 500 e 1000 euros. Outros não conseguem sequer um primeiro e precário emprego. É uma tragédia? Será.
Mas então que dizer de um menos jovem, de 40, que trabalhe oito horas por dia numa fábrica têxtil qualquer, a troco de 475 euros? Ou um de 45, desempregado, sem direito a subsídio, com dois filhos, que é preciso alimentar, vestir e educar? O que será isto? Quem está mais à rasca, a geração dos que agora têm 30 anos, ou a geração dos que agora têm 40 anos?
E que dizer dos idosos que, aos 70 ou 80 anos, sem retaguarda familiar, sobrevivem em casas velhas e destelhadas com 300 euros de pensão? Estes também estarão à rasca, ou não contam, porque quem conta, agora, são apenas os que têm um curso superior, banda larga em casa e conta no Facebook?
Que me perdoem os que estão verdadeiramente à rasca [muitos deles da geração que ronda agora os 30 anos], mas esta manifestação que se anuncia e sobretudo a discussão que vai gerando, demasiadas vezes se parece com uma birra de quem substituiu o aborrecimento e as dificuldades da vida real pela excitação e rebelião de uma vida virtual.
Escreve-se no manifesto que deu origem a este protesto, e repete-se até à exaustão, que a geração dos 30 anos é, entre todas as gerações, a que tem mais habilitações. Escasso e pobre argumento para um país que há muito anda cheio de doutores e engenheiros, pelos menos nos títulos que mandavam inscrever nos livros de cheques e cartões-de-visita. Habilitações nunca faltaram, o que falta é qualificação e competência. E ao contrário da primeira, a duas últimas não aparecem automaticamente com o canudo de fim de curso.
Aos que apareçam na luta do próximo dia 12, fica um último alerta: não é a geração dos que agora andam na casa dos 30 anos que está à rasca; são as várias gerações de portugueses, todas elas, que estão à rasca. E não há soluções para sair do buraco que contemplem apenas os jovens de 30 anos. Ou se encontra um caminho comum, ou vamos todos juntos para o abismo. Tenham em conta que não é um abismo virtual. É o da pobreza. Onde já mergulharam dois milhões de portugueses. A esmagadora maioria não tem curso superior, muito menos mestrado. E estes, sim, estão verdadeiramente à rasca.
[JN]
(Texto de Rafael Barbosa)

terça-feira, 8 de março de 2011

Apelo de urgência...

Já sei que hoje é Carnaval, mas ...esta história parece-me verdadeira e bem real,porque  está a ser transmitido pelo canal nacional de televisão e o desespero da criança que se encontra desamparada à procura do pai é bem evidente, tropecei acidentalmente nesta cena ao rodar canais e logo me apercebi que estávamos na presença de um apelo de urgência.
Na verdade, está um senhor e mais umas meninas bem gordinhas a "abanicarem-se "e ele ao som de uma música de fundo e em fato de treino, como que para minimizar o sofrimento da criança vai gritando e perguntando quem será o pai da criança...? Cheguei a ter pena da criança, perdida, sem saber que fazer, lá estava no meio da festa incomodada pela exposição de que estava a ser alvo...mas afinal quem é o meu pai? Submeter uma criança a este tipo de humilhação e com honras de transmissão televisiva não devia ser permitido, procure-se o pai mas poupem a criança!
Enfim, a Tânia e o Baião apenas estão a vender o produto, e enquanto houver clientes eles vão-se safando e nós vamos pagando a taxa do audiovisual pois então, e cá se vai andando com a cabeça entre as orelhas.

Casa polivalente em Alge !


A expressão "multiusos" aqui poderá interpretar-se como versatilidade? pode ser...ou seja, é polivalente, usa-se para várias coisas...o que sem dúvida é uma boa opção em tempo de crise,tem que se gerir os recursos da forma mais equilibrada possível,parabéns pela iniciativa. 
Quanto aos lugares "limítrofes"... aqui penso que a expressão contém alguma hegemonia subtil,  sim porque o Singral é um lugar "limítrofe", mas não "anexado" ...(neste contexto).

quarta-feira, 2 de março de 2011

Roubo e vandalismo no Singral!

Este simpático lugarejo durante o interregno em que ninguém cá vivia em permanência, foi várias vezes fruto do apetite do amigo do alheio,mas agora é um pouco diferente...estão criadas algumas defesas que poderão com algum engenho facilitar a identificação dos intrusos,aguardemos pelos resultados...
Hoje mesmo fomos confrontados com o deplorável espectáculo de roubos e actos de vandalismo em duas casas de vizinhos nossos e tentativa frustrada na Capela ,a GNR foi chamada ao local e tomou nota da ocorrência assim como o levantamento de elementos que poderão ajudar a decifrar a identidade do/dos indesejado/s visitante/s .
No interior de uma das casas assaltadas eram visíveis vários pingos de sangue no soalho e paredes que deixam perceber que o/os assaltante/s se terão ferido nos estilhaços dos vidros partidos.Algumas torneiras no exterior foram arrancadas (estranho apetite...).Ainda que tenha sido um acontecimento lamentável não deixa no entanto de constituir notícia ,por tudo isto alertamos as "gentes" destes locais aparentemente mais indefesos, para se precaverem.







Bodyboard na Praia das Rocas (Castanheira de Pera)

A Prazilândia vai promover aulas de bodyboard na Praia das Rocas, no próximo fim-de- semana de Carnaval - 5, 6 e 7 de Março.
As aulas têm como público-alvo os mais jovens, mas estão abertas a todos os escalões etários, sendo ministradas pelo Prof. Nuno Beleza, da Federação Portuguesa de Surf.
Pelo preço de cinco euros, com direito a seguro e equipamento adequado, incluindo fato de neoprene para enfrentar com comodidade a água fria, os alunos terão formação básica em bodyboard, incluindo prova prática nas ondas das Rocas, num ambiente seguro e acompanhados por monitores experientes e idóneos, durante 90 minutos, entre as 14h30 e as 16h00.
Para marcações ou mais informações, contactar pelo telefone 236438931 (Paulo Tomás ou Pedro Simões), ou para pedrosimoes@praiadasrocas.com

Exposição de Viaturas de Bombeiros em miniatura para ver na Casa do Tempo(Castanheira de Pera) de 5 de Março a 5 de Abril.

É certo que os dias cinzentos ainda não nos largaram e que com o frio ou a chuva não apetece
muito pôr o pé na rua. Contudo, há que deixar a preguiça de Inverno de lado e ir à procura de
algo que torne estes dias mais agradáveis. Ideias para fazer ou ver não faltam e a Casa do
Tempo tem também uma proposta para nos ajudar a dar uma lufada de cor a este mês de
Março.
Assim sendo, pode-se dizer que os dias que se avizinham serão aquecidos com tons de
vermelho e que, apoiada nas colecções particulares de José Domingues e de António Marques,
a Casa do Tempo irá mostrar-nos uma colectânea de viaturas de bombeiros em miniatura.
Simples e interessante, esta colecção reúne cerca de duas centenas de pequenos objectos
associados à actividade dos Soldados da Paz e é entre as ambulâncias, carros, carrinhas, camiões,
helicópteros, motas ou outros elementos usados pelos bombeiros que o nosso olhar
reconhece o gosto pela arte coleccionar e a estima por todos os homens e mulheres que
dedicam a sua vida para defender a vida dos outros.
Portanto, são as miniaturas de diferentes tamanhos e materiais que ditam as bases da nova
proposta da Casa do Tempo e que, de 5 de Março a 5 de Abril (nomeadamente de Terça a
Sexta das 12h00 às 19h00 e aos Fins-de-Semana ou Feriados das 10h00 às 13h00 – 14h00 às
18h00), nos convidam a sair de casa e a aproveitar os últimos dias de Inverno.
Nota: E porque o objectivo é animar o próximo mês, a Casa do Tempo pretende ainda desafiar
o público a engrandecer esta exposição de miniaturas com a pintura de um dos vários
desenhos de bombeiros que estarão disponíveis para colorir.